9ab2816d a81e 4cd4 b888 6b1b585482d2 Leco teria perdido a paciência com um de seus opositores políticos (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, segue sendo protagonista dos episódios negativos relacionados ao São Paulo. Não bastasse suas atrapalhadas na gerência do futebol tricolor, o presidente do clube foi acusado por Pedro Mauad, conselheiro são-paulino, de agressão após o empate em 1 a 1 com o Corinthians, neste domingo, no Morumbi.

Leco estava acompanhado de seu filho, Fernando de Barros e Silva, quando foi para cima de Pedro Mauad nas dependências internas do Morumbi. O mandatário teria se revoltado com o conselheiro são-paulino por conta das duras críticas direcionadas à sua gestão e, inclusive, tentado segurá-lo pelo pescoço.

Nesta segunda-feira, um boletim de ocorrência deverá ser feito por Mauad, bem como a abertura de uma representação contra Leco no Conselho Deliberativo do clube. O São Paulo, por sua vez, deve soltar um comunicado oficial a respeito do ocorrido.

Segundo o estatuto do São Paulo, agressão física envolvendo dirigentes do clube nas dependências do Morumbi é passível de até 120 dias de suspensão. Em 2015, Ataíde Gil Guerreiro e Carlos Miguel Aidar, à época presidente tricolor, foram expulsos do quadro de conselheiros por este motivo.