71b418c5 2c78 4ab0 8c0d 30959a6287fc Centroavante não poupou elogios ao jovem armador (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

O centroavante Jô é visto como um exemplo no grupo de jogadores do Corinthians e tem usado essa experiência para dar conselhos aos atletas mais jovens. Um exemplo disso é o meia Pedrinho, autor de bela jogada na partida contra o Botafogo, no último domingo, no estádio de Itaquera, dando um chapéu em um adversário e armando o lance que terminou no gol do camisa 7. Relembrando-se de Bernard, outro jovem promissor que jogou com ele, o atacante disse que a joia corintiana só precisa ter calma para ser “um dos melhores do mundo”.

“Não tem como não olhar para ele, para o Carlinhos, você vê que tem o talento desde pequeno, feito na base. Vemos que ele vai ser um dos melhores jogadores do Brasil, até do mundo, posso afirmar porque vejo a qualidade dele no dia a dia”, explicou o jogador, relembrando um lance de outra boa campanha, a do vice atleticano, em 2012. Naquele ano, em um jogo contra o Grêmio, no Olímpico, Bernard chapelou dois zagueiros antes de cruzar para Jô marcar o gol da vitória por 1 a 0 dos mineiros.

Companheiro do garoto também na disputa da Copa do Mundo de 2014, como ele mesmo lembrou, Jô assegurou que Pedrinho pode fazer caminho parecido até chegar à Seleção Brasileira. Mesmo com a carreira do antigo companheiro de Galo não despontando como se previa (hoje está no Shakhtar Donetsk-UCR), o centroavante acredita que esse exemplo pode ser importante para a garotada alvinegra.

“Procuro sempre estar conversando, tudo tem seu tempo, a hora deles vai chegar. Ele fez uma grande jogada, foi muito bonito. Se me escutar, vai jogar uma Copa do Mundo (risos). Vai acontecer o que aconteceu com o Bernard. Fez uma grande jogada contra o Grêmio e acabou jogando uma Copa depois. Então, se o Pedrinho me escutar, pode ter certeza que vai jogar uma também”, avaliou o artilheiro do clube no ano, com 13 gols marcados.

Também revelado no Corinthians, Jô é visto como um espelho justamente para os jovens, que parecem ouvir atenciosamente cada conselho do companheiro.  “É um cara que eu admiro muito. E isso aí me deixa mais confiante, ver o Jô, Rodriguinho, Jadson, Cássio, caras já consagrados, dando a mesma atenção para mim que dão para os outros jogadores”, explicou o meia de 19 anos, olhando fixamente para o parceiro enquanto ele falava.

“Na minha época tinha a necessidade muito grande de um atacante. Eles não me prepararam, era muito franzino, magro. Perdia jogadas bobas por causa disso. Agora o Corinthians tem laboratório, parte fisiológica. O Pedrinho vai sempre crescer. Tem que ter calma, fazê-lo se desenvolver para aguentar mais porrada e não perder velocidade. Tem que ter um pouco de paciência, todo mundo quer ver jogar, mas é um jogador que vai nos dar muita alegria ainda”, assegurou Jô, confiante na permanência por um longo período de Pedrinho.

“Na minha época foi tudo muito rápido. Se não fosse tão rápido poderia ser um pouco diferente. Até assédio de clubes europeus, saber a hora certa de jogar, isso tudo a gente tem que preservar. Nós já passamos por esse momento”, explicou o goleador, prontamente atendido pelo meio-campista. “Tem a hora certa de  jogar na Europa, quero entrar, me firmar, fazer uma grande história e ir passo a passo, dia a dia. Não adianta estar aqui e ficar pensando na Europa”, concluiu Pedrinho.