C6bf8fa6 f98a 4913 837e 4ee46d654ebc Amanda: "Eu realmente tenho que entrar e mostrar que sou a melhor do mundo e é isso que eu venho fazendo a cada luta" (Foto: Evelyn Rodrigues)

Amanda Nunes protagoniza, pelo segundo ano consecutivo, a luta principal da "Semana Internacional da Luta". Em 2016, ela tomou o cinturão de Miesha Tate e se consagrou campeã na luta principal do UFC 200, na T-Mobile Arena. Dessa vez, ela defenderá o  título contra Valentina Shevchenko no mesmo local.

- Essa arena tem que mudar o nome pra "arena da Leoa" - brincou a brasileira durante entrevista ao Combate.com nesta terça-feira, na cidade americana. 

Apesar disso, ela acredita que ainda não tem o devido reconhecimento por tudo o que fez e faz pelo esporte. Isso, no entanto, não é problema para a "Leoa". Acostumada a superar desafios, ela vai, aos poucos, provando porque é a número um da divisão:

- Algumas pessoas ainda me param na rua e falam: "Ah você é a menina que bateu a Ronda". Não, eu sou a Amanda Nunes, a campeã peso-galo do UFC. É triste ainda não ter esse reconhecimento, mas eu acredito que sou aquela atleta que tem que continuar provando, sabe? Lutar e ganhar, e continuar até chegar o momento que realmente as pessoas vão olhar para mim como a campeã. Essa é mais uma luta que eu vou continuar provando. Depois dessa luta, aí sim as pessoas vão realmente começar a me chamar de campeã, a me reconhecer como campeã, tudo leva um tempo. Se você não tem uma promoção da mídia para te ajudar, você como atleta tem que fazer isso. Eu realmente tenho que entrar e mostrar que sou a melhor do mundo e é isso que eu venho fazendo a cada luta e vou continuar fazendo no sábado - prometeu.

Aos 29 anos, a brasileira, que vem de cinco vitórias consecutivas, acha que o MMA feminino está ganhando cada vez mais força no mundo. Só no UFC, agora, serão quatro categorias femininas (peso-palha, galo, mosca e pena) e a luta deste sábado também trará novos holofotes para as mulheres do esporte:

- Estou muito feliz com o destaque dessa luta para o MMA feminino, é muito grande né? Até o apoio está melhorando a cada dia dos fãs brasileiros e a tendência é crescer mais e mais. Vai vir a Cris (Cyborg) aí e com certeza ela vai pegar esse cinturão (peso-pena), eu vou manter o meu, e assim a gente vai conquistando o nosso espaço, porque agora a gente está com tudo.

A "Leoa" garantiu que está pronta para a revanche deste sábado. Ela e Valentina já se enfrentaram, em março de 2016, com Amanda levando a melhor. Desde que a revanche foi confirmada, no entanto, a lutadora do Quirguistão vem provocando a brasileira (as duas chegaram até a protagonizar uma encarada tumultuada durante um evento com a imprensa em maio). Para Amanda, tudo não passa de promoção para a luta:

- Ela voltou de uma forma espevitada, falando mais, mas é bom para promover a luta. Gostei dessa nova Valentina. Acho que ajudou um pouco a vender essa luta. Aquilo não foi nem um soco, foi uma empurradinha. Isso tudo fez parte para vender um pouco mais, acho que os fãs gostam de ver essa rivalidade - finaliza.