Da858853 8c0d 42b7 b84a df9ba11e91d1

Antes da eleição de amanhã, os candidatos à presidência do Botafogo respondem às principais acusações do adversário. Em entrevista, o EXTRA ouviu as versões de ambos sobre cinco das principais críticas do rival.

Os candidatos são Nelson Mufarrej (situação) e Marcelo Guimarães (oposição). Veja a baixo as críticas e respostas:

CRÍTICAS DE MUFARREJ A GUIMARÃES

Sócios-torcedores

Mufarrej: “Ele diz que deixou o clube com 15 mil sócios-torcedores. Eu não vejo isso como verdade, em 2011 não havia 15 mil.”

Guimarães: "Nós tivemos um crescimento espetacular de sócios-torcedores. A adimplência do programa oscila de acordo com o momento do clube, inclusive dentro de campo. Mas nós tivemos números nessa faixa sim.”

Histórico

Mufarrej: “Ele só se associou ao Botafogo em 2010, quando já trabalhava no clube. Não tem história.”

Guimarães:“Minha história no clube começa quando nasci, é de família. Ter anos de clube nem sempre é importante. Respeito os antigos, mas tem gente que está há anos e não fez nada de relevante.”

Volta da ‘turma do Assumpção’

Mufarrej: “Pessoas que estão com ele estiveram com Assumpção, inclusive no primeiro mandato.”

Guimarães: “Mufarrej é um dos símbolos da administração do Assumpção. Foi presidente do Conselho Fiscal no primeiro mandato e Conselheiro no segundo. Precisa falar mais alguma coisa?”

Presença no clube

Mufarrej: “Nunca o candidato da oposição foi assistir a uma sessão plenária do Conselho Deliberativo.”

Guimarães: “Assisti sim, mas fiquei decepcionado com o ataque que a oposição sofria. Não fiquei à vontade. Como sou sócio-proprietário, os conselheiros ficam de costas e eu não enxergava bem.”

Programa

Mufarrej: “A situação tem um programa, com metas, pilares... A oposição, por outro lado, não tem.”

Guimarães: “Claro que eu tenho programa. É só ir no facebook.com/futuroalvinegro que está lá, em detalhes. O candidato Mufarrej diz que não tenho para não debater.”

CRÍTICAS DE GUIMARÃES A MUFARREJ

Uso da máquina

Guimarães: “Alugaram o salão nobre de General Severiano por R$ 1000. Depois que descobrimos, nos ofereceram. Não quisemos.”

Mufarrej: “A Junta Eleitoral decidiu o que pode e o que não pode ser usado. E foi permitido que, caso usado o salão nobre, fosse pago uma taxa de R$ 1000. Isso foi falado para eles também. Não foi em mão única.”

Falta de debates

Guimarães: “Analogamente, como os políticos, por se sentirem favoritos, ele não debate. Isso é triste.”

Mufarrej: “Acho que debater é com sabedoria, inteligência, algo concreto. Para mim, ele não tem nada disso. Então, criar um palanque para ele, isso eu não quero.”

Maurício Assumpção

Guimarães: “Ele foi presidente do Conselho Fiscal e conselheiro do Assumpção até o fim. Por que não saiu?”

Mufarrej: “Eu sou contra renúncia. Renunciar não faz bem a mim. Quero ficar até o fim de tudo que eu faço. Até para aprender com quem é mais experiente do que eu.”

Publicidade indevida

Guimarães: “Eles fazem propaganda em lugares restritos do estádio para sair na TV. É ‘marketing de emboscada’.”

Mufarrej: “A Junta Eleitoral explicou os locais permitidos para campanha,incluindo o estádio. Nós fizemos, mas tudo permitido. Temos convicção de que fizemos a coisa certa, o combinado.”

Apadrinhamento

Guimarães: “Aumentaram as vice-presidências no novo estatuto. Coisa de quem precisa dar lugar para políticos.”

Mufarrej: “A vice-presidência era de Marketing, Comunicação e Social. Houve o desmembramento para que não fique tudo na mão de só uma pessoa, para que ela não fique sobrecarregada.”