Cb0a6337 e171 4f6b a17c bb1d46682f77

Quando a Chapecoense se reapresentou, em 6 de janeiro, a maior preocupação da diretoria era com a falta de jogadores. Até aquele momento, somente cinco reforços haviam sido anunciados. Então, a burocracia foi mandada às favas, e jogadores que nem haviam assinado também foram chamados. Mesmo assim, foi preciso convocar garotos da base.

— O mundo não podia achar que a Chapecoense tinha acabado. Se começássemos a temporada com oito jogadores, qual recado daríamos? — reflete o diretor de futebol Rui Costa.

Hoje, quando o acidente com o avião da LaMia — que matou 71 pessoas, entre jogadores, membros da comissão e dirigentes do time, além de jornalistas — completa um ano, as preocupações já não são as mesmas. O clube que tentava convencer o mundo de que ainda tinha forças para se manter de pé já projeta 2018, quando pode ser o único representante do futebol catarinense na Série A. Com a permanência na elite, um orçamento maior.

— Nosso primeiro compromisso é de exercer a opção de compra dos jogadores que estão aqui. Mas vamos tentar reforçar o grupo no mercado — afirma Costa.

Dos 38 jogadores do elenco, vinte e dois chegaram por empréstimo. O clube já confirmou a compra de Jandrei, Luiz Otávio e Arthur. Após o Brasileiro, as conversas com os demais serão intensificadas. A diretoria sabe que não pode contar — e nem cogita — com a solidariedade de todos os cantos do mundo.

— Em 2018, não se tratará mais a Chape sob a ótica da generosidade. Passamos a ser concorrentes. E um concorrente duro você não ajuda, você enfrenta — diz Costa.

Nesta terça, uma missa foi realizada no Monte Cerro El Gordo, em Medellín, que agora leva o nome da Chapecoense. Um altar foi levantado no local onde restou a fuselagem. Duas cruzes de madeira dominavam a vista de dezenas de pessoas que compareceram com a camisa do Nacional. Também nesta terça, uma placa foi inaugurada em homenagem aos mortos na tragédia na Praça Central da cidade. Já em Chapecó, uma caminhada até a Arena Condá marcou o início das homenagens na cidade catarinense, que continuaram dentro do estádio.