34b5b540 8f63 4b29 94a8 af1f2850c178 Se considerado culpado, presidente da Bota Paz pode ser banido dos estádios (Foto: Hévilla Wanderley / GloboEsporte.com)

O presidente da Comissão Estadual Permanente de Prevenção e Combate à Violência nos Estádios, o procurador de Justiça Valberto Lira, informou nesta segunda-feira que vai investigar a participação do presidente da torcida organizada Bota Paz, Benedito Medeiros Filho, mais conhecido como Beninha, que admitiu ter sido o autor do polêmico vídeo vazado na internet, onde aparece supostamente negociando com o vice-presidente da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Nosman Barreiro, uma série de protestos contra a entidade e também contra a diretoria do Botafogo-PB.

De acordo com Valberto Lira, a Comissão não tem atribuição criminal, só a parte cívil, na qual pode investigar se houve infração por parte do presidente da torcida organizada.

- A minha parte como presidente da Comissão é a de investigação com relação à participação do presidente da torcida organizada. Se o que for apurado for considerado antidesportivo, pode resultar no banimento dele dos estádios de futebol - explicou o procurador.

A polêmica do vídeo estourou na última terça-feira e, pelo que as partes dizem, foi gravado no escritório do vice-presidente da FPF, Nosman Barreiro. Nele, é possível perceber uma negociação para que haja um protesto contra o presidente Amadeu Rodrigues, e também contra a diretoria do Botafogo-PB.

Beninha assumiu a responsabilidade pela gravação durante o programa Antena Esportiva, da Rádio CBN João Pessoa. Em entrevista aos jornalistas Bruno Filho e Expedito Madruga, o chefe de torcida disse que agiu por conta própria e negou as acusações de Nosman de que seria assessor de Amadeu Rodrigues recebendo uma remuneração mensal de R$ 600 da FPF.