Ad67f6e6 03e5 47a5 89df 881ecd801714

A iminente chegada de Henrique Dourado ao Flamengo, para preencher a lacuna momentânea deixada por Guerrero, não fez a diretoria desistir de renovar com o centroavante peruano.

Embora as conversas estejam travadas após a suspensão do contrato pelo jurídico do clube - já que o atleta está suspenso pela Fifa, acusado de doping - a intenção é renovar o vínculo que vence em agosto, inicialmente até dezembro.

Na Gávea, as correntes que são contra a renovação por mais algumas temporadas nos mesmos patamares de custo crescem com o passar do tempo. No entanto, o julgamento de Guerrero no Tribunal Arbitral do Esporte é o fiel da balança.

Se for absolvido, o atacante será reintegrado e usado ainda no primeiro semestre, quando o Flamengo inicia a sua campanha na Libertadores. Caso a pena de seis meses se mantenha, a situação segue congelada até depois da Copa do Mundo, quando a renovação teria pouco tempo para acontecer.

A partir de março, Guerrero já pode assinar um pré-contrato com outro clube. A renovação por um período curto, até dezembro, pode ser um fator que não agrade o atleta e seus representantes, sobretudo após a suspensão do contrato e o não pagamento dos vencimentos enquanto a punição da Fifa está vigente.

O bom relacionamento de dirigentes com a empresa que cuida da carreira de Guerrero é o fator animador neste cenário. Além disso, o desejo do peruano de ficar no Rio de Janeiro até agora seque intacto. Depois do resultado do novo jultamento, tudo pode mudar.