Alecssandro entrou no segundo tempo, mas teve poucas chances durante o jogo (Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo) 75e04e77 8d03 4ce6 9154 9b2ff546a4df

A noite foi de vaias no Couto Pereira, na derrota de 3 a 0 do Coritiba para o Sport, pela 12ª rodada do Brasileiro. A impaciência do torcedor aconteceu já em meio ao jogo, com um alvo direto: o técnico Pachequinho, que foi chamado de burro quando optou por colocar Alecsandro no lugar de Anderson, no segundo tempo.

As críticas vindas da arquibancada não foram bem absorvidas pelo atacante Alecsandro, que desabafou no fim da partida. O jogador assumiu que o time teve uma atuação fraca, disse que tudo deu errado, mas também fez uma ameaça de ir embora caso a torcida não esteja aprovando sua permanência. Alec chegou ao Coritiba em maio por empréstimo do Palmeiras.

- Vou dar a volta por cima. Se não quiserem, estou emprestado pelo Palmeiras, pego minha mochila e vou embora, disse em entrevista na saída de campo para a rádio Banda B.

Ao mesmo tempo que demonstrou insatisfação com as críticas, Alecsandro pediu à torcida que concentre a pressão nos mais experientes em campo. Ele ainda afirmou que está preparado para assumir a posição de atacante caso Kleber seja punido no julgamento do Superior Tribunal Justiça Desportiva (STJD), nesta quarta-feira. O Gladiador tomou 12 jogos de suspensão no episódio em que agrediu e cuspiu o jogador do Bahia. Ele atua sob efeito supensivo e terá seu recurso analisado.

- O Kleber vai pegar gancho, e vou ter que colocar a cara para o jogo. Não tem problema. Pode me xingar, me vaiar que não tem problema. Só não pode pegar no pé da molecada que sente a pressão, completou.

Pachequinho concorda com críticas da torcida

Com palavras menos provocativas, o técnico Pachequinho viu como normal as vaias e críticas ao seu trabalho no Coritiba.

- Na realidade, devemos ter tranquilidade e saber que o torcedor está no direito de cobrar e exigir. Isso faz parte do futebol. Duvido que o torcedor ia aplauir da forma que estamos jogando.

O treinador do Coritiba também explicou a substituição de Anderson e lembrou que o jogador ainda não está em condições físicas para se manter os 90 minutos da partida. Segundo ele, a escolha por Alecssandro teve como objetivo poupar Anderson.

- O Anderson está vindo de uma lesão, teve problema durante a semana e seria um risco muito grande, sob todos os aspectos, continuar no jogo. Sabiamos que o ritmo dele ia cair e agravar mais (sua condição física).

Diretor sai em defesa de Alecsandro

O diretor de futebol do Coritiba, Alex Brasil, saiu em defesa de Alecsandro na coletiva de imprensa após o jogo. Ele destacou as grandes atuações do atacante em outros times e acredita que a fase é complicada, mas pode ser ultrapassada.

- O histórico do atleta fala por ele, onde passou foi vitoriso. São fases, e o Alecsandro não desaprendeu a fazer gols. A entrevista dele de assusir a responsabilidade é do perfil dele. Vamos enfrentar essa fase difícil, vamos atravessá-la e esperamos que voltemos ao normal.

O Coritiba volta a campo na próxima quinta-feira em partida contra o Avaí, na Ressacada. O Coxa está na 12ª posição da tabela com 16 pontos.