50fb0fc0 9927 496f a029 4f5563d6ae9f Segundo Pintado, Cueva não queri ir a Santos para ficar no banco de reservas (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Demitido do cargo de auxiliar técnico do São Paulo na última segunda-feira, Pintado decidiu abrir o jogo sobre Cueva não ter viajado com a delegação tricolor a Santos, no último final de semana. O ex-volante atribuiu ao meia peruano a decisão de não atuar no clássico na Vila Belmiro, que terminou com vitória do time da casa por 3 a 2.

Inicialmente, o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, gostaria que Cueva descesse a serra mesmo que ficasse no banco de reservas, ao passo que Pintado decidiu por cortá-lo da lista de relacionados.

“O Cueva tinha uma ideia de sair do São Paulo, víamos ele um pouco descontente no dia a dia. Ficou muito claro para nós. O rendimento não era mais do jogador que chegou ao São Paulo. O Cueva iria para o jogo, mas não iria iniciar. Foi uma decisão técnica. Quanto a não viajar, foi uma opção dele, que preferiu não ficar no banco”, disse Pintado, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

“Comentei que ele tinha tudo para decidir o jogo no segundo tempo na Vila, com uma estratégia para utilizar velocidade, desde que ele estivesse disposto a ajudar e com a cabeça no São Paulo. Não dá para pedir por favor a um jogador para jogar no São Paulo, acrescentou.

Sem Cueva, o argentino Jonatan Gomez acabou estreando, mas teve atuação discreta. Nesta terça-feira, porém, em seu primeiro treino tático, Dorival Júnior ensaiou o time titular com Cueva e Gomez juntos.

Em entrevista ao canal Espn Brasil, Pintado ainda falou sobre sua relação com Rogério Ceni nos quase sete meses em que o ídolo tricolor treinou o time do Morumbi. Não houve qualquer atrito entre os dois, segundo o ex-auxiliar técnico.