2f0b5125 10f9 4f2d 8b2d 2c4158eb6b9f

No último domingo (18), a terceira edição da Copa Maria Bonita de Jiu-Jitsu consolidou, de uma vez por todas, Maceió como a capital brasileira do jiu-jitsu feminino. O evento reuniu, no ginásio do Colégio Marista, mais de 280 competidoras, de equipes da Bahia, de Sergipe, de Pernambuco, do Rio de Janeiro, da Paraíba e até da Suécia.

“Foi uma festa muito linda com tantas mulheres no tatame sendo valorizadas do jeito que elas realmente merecem. Nos preocupamos em dar ao local das lutas um aspecto feminino e em premiar as campeãs com valores em dinheiro só visto nas maiores competições do Brasil. Além disso, este ano ofertamos água e picolés com sabores de frutas naturais do Nordeste para as atletas, objetivando regionalizar ainda mais o evento”, comemorou Flávia Gomes de Barros, organizadora da Copa Maria Bonita.

A primeira edição da Copa Maria Bonita de Jiu-Jitsu aconteceu em março de 2016 e reuniu cerca de 150 atletas de Alagoas e Estados vizinhos, tornando-se o primeiro campeonato exclusivamente feminino do país. Em 2017, a segunda edição recebeu 220 competidoras e, este ano, 282 atletas subiram nos tatames.

“A Copa Maria Bonita foi idealizada como forma de valorizar o esforço de todas as atletas que precisam conciliar suas rotinas familiares e de trabalho com os treinos, além de ser uma oportunidade de desmistificar pra sociedade que o jiu-jitsu é um esporte masculino e, ainda, apresentar todos os benefícios que traz para o público feminino”, explicou Erick Costa, também responsável pela competição.

Alagoas nos holofotes do mundo das artes marciais

Para Sibele Lima, uma das primeiras mulheres faixas pretas de jiu-jitsu de Alagoas, a Copa Maria Bonita é muito mais que uma competição esportiva. Trata-se de um momento político, onde as mulheres provam que são dignas de todo respeito e admiração por estarem lutando por igualdade e autonomia mesmo em esportes com a maioria masculina, como é o caso da “arte suave”.

A lutadora afirma que “passada a Copa Maria Bonita, é momento de comemorar o crescimento do jiu-jitsu feminino e a realização de outras competições pelo Brasil com os mesmos objetivos que os nossos: valorizar as mulheres e nos dar mais visibilidade. Alagoas está nos holofotes do mundo das artes marciais com esta competição e isto deve ser muito celebrado”.

Após um dia inteiro de lutas, a equipe Zenith sagrou-se a campeã da Copa Maria Bonita. Em segundo lugar, a equipe alagoana Sandro Melo Jiu-Jitsu Team e, na terceira colocação, a equipe ZR Team.