9392093f 62f9 4702 afe1 5b87da79b343

Se não poderá ter o apoio de sua torcida no terceiro jogo da Libertadores, amanhã, contra o Santa Fé, o Flamengo retoma hoje uma tradição que costumava ser usada para manter a conexão dos jogadores com seus torcedores, e foi perdida. O treino aberto às 15h no Maracanã, local da partida, terá como principal objetivo reaproximar o elenco dos rubro-negros, que cada vez mais questionam o desempenho dos atletas.

A expectativa é de 50 mil presentes no Maracanã, após o clube liberar a entrada mediante um quilo de alimento para torcida comum, e a presença livre de sócios-torcedores. A ideia dos torcedores é que a festa tenha cores, faixas e bandeiras, mas também protestos e cobranças sobre o elenco e a diretoria. Vice de futebol, Ricardo Lomba representou os torcedores ao reclamar da postura do time na eliminação no Estadual, e vê a iniciativa como importante para aproximação.

- É um belo passo na direção de reaproximação da torcida e jogadores. A coisa estava meio fria — reparou o dirigente.

Com a saída de alguns profissionais, entre eles o diretor Rodrigo Caetano, o departamento de futebol acatou pedido do marketing para o treino. Treinos abertos sempre foram um desejo de torcedores e sócios do Flamengo, especialmente pelo histórico de grandes equipes desfilando no campo da Gávea. Nos últimos anos, a prática ficou em segundo plano. Porém, ainda nessa gestão, o técnico Vanderlei Luxemburgo pediu algumas atividades na sede do clube, em 2015. A última vez que o elenco esteve por lá foi no segundo semestre de 2016, com Zé Ricardo no comando.

— Treinos abertos sempre aconteceram, é tradição no Flamengo. Durante um tempo não teve, por questões diversas. O objetivo era fazer para a maior quantidade de pessoas, e na Gávea não dava. Recentemente retomamos isso com o futebol, para trazer a torcida para junto, para perto. Vamos fazer de tudo para fortalecer essa relação. Esperamos que seja algo que se repita, vai depender do sucesso dessa vez — disse o vice de marketing Daniel Orlean, que não descartou repetir a dose antes do jogo com o Emelec, em maio. Até ontem, dez toneladas de alimentos foram recolhidas.

Operação de jogo

A operação organizada pelo Flamengo para o treino aberto é nos mesmos moldes dos jogos que o clube organiza no estádio. A diferença é que não haverá adversário como em um jogo. Mesmo assim, ficou acordado em reunião junto à Federação de Futebol do Rio para falar do jogo contra o Santa Fé, sem torcida, na quarta-feira, detalhes sobre a segurança e a festa da torcida.

O clube terá cerca de 500 agentes privados para monitorar o público no interior do Maracanã. Até o momento foram trocados 25 mil ingressos e a expectativa é que a presença chegue a 50 mil pessoas. Do lado de fora, como não há clima de jogo nem rivalidade com outra equipe, apenas o 6° batalhão da Polícia Militar, que monitora a região, sinalizou apoio. O Flamengo ainda conversa com o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios, mas o Gepe não deve participar da operação do treino.

Também ficou estabelecido que o torcedor que for ao Maracanã poderá levar faixas e bandeiras, mas com a anuência do Flamengo. Não estão permitidos, por exemplo, fogos de artifício, sinalizadores e outros artefatos, além de papel higiênico. As torcidas organizadas também poderão levar seu material próprio e entrar uniformizadas, embora algumas estejam punidas e proibidas de entrar caracterizadas nas partidas oficiais.