Foto: Arquivo Pessoal 1d70bbae a73f 48a2 b75c 99d7c1c44b81
O triathlon é um esporte que reúne três modalidades diferentes, a natação, o ciclismo e a corrida. Diante disso, parece que os desafios nunca acabam e é justamente isso que motiva os seus adeptos. O alagoano Fabiano Paes, pai de família, Bombeiro Militar e triatleta, está há mais de 10 anos no esporte, encarando treinos todos os dias, competições e ainda os obstáculos estruturais e financeiros para se manter em atividade.
Em maio, Fabiano participou do IronMan Florianópolis, sua nona participação e a quinta na capital catarinense. A prova é conhecida pela distância “Full” ou seja, um IronMan completo, com 3,8Km de natação, 180Km de ciclismo e 42Km de corrida.
Minha nona participação em IronMan, sendo a quinta em Florianópolis, me fez fazer uma prova com mais experiência. É uma prova muito agradável, mas quem faz deve saber as artimanhas, da correnteza, do vento, do frio. Estava muito confiante, fiz talvez a mais redonda de todas as provas. Repeti o tempo de 2016, mas em condições diferentes. O esforço foi maior naquele ano e nessa última prova, eu estava totalmente preparado. Fiz o que estava planejado e a minha meta é melhorar o tempo para 2019”, afirmou Fabiano.
Moeda que representava no IronMan de Kona no Havaí (Foto: Divulgação)
Após concluir a prova, Fabiano terminou em 5º na categoria 45 a 49 anos e pela terceira vez consecutiva, garantiu a vaga para o Mundial Full em Kona no Havaí.
A conquista coloca o alagoano entre os melhores do Brasil e do mundo, mas vai exigir uma grande rotina de treinos. Isso porque, serão três provas até o final do ano.
 
Entre agosto e setembro, duas provas “Half” ou 70.3, que tem as distâncias de 1,9Km de natação, 90Km de ciclismo e 21Km de corrida. Em agosto será o IronMan 70.3 Alagoas, em setembro o Mundial 70.3 na África do Sul e o Mundial Full em outubro. Diante dos desafios, Fabiano afirma estar preparado, inclusive para conciliar as tarefas pessoais, profissionais e de treinamento.
“Com relação ao nosso descanso, já temos um dia de descanso durante a semana. Isso é natural para todos os atletas, o chamado “Day Off”. Até porque, durante a semana temos os treinos de alta intensidade e também o Endurance, que são os treinos mais longos, que de certa forma servem como descanso, se comparados aos treinos rápidos, de tiro, que são muito mais desgastantes. Nós temos os ciclos de treinamento. Pela frente, vamos participar do IronMan Alagoas 70.3 em agosto, o Mundial 70.3 na África do Sul em setembro e em outubro o Mundial em Kona No Havaí, que é uma prova Full. As duas primeiras provas, são rápidas e por isso a nossa prova alvo é o Mundial de Kona no Havaí. Chegamos num patamar que não podemos abrir mão dos treinos diários, para não perder nada. Não é fácil conciliar todas as atividades, como atleta, profissionais e pessoais. A família até entende e nos finais de semana estaremos juntos, mas durante a semana, temos as atividades no Corpo de Bombeiros e os treinamentos, que são encaixados previamente, com as atividades de natação, ciclismo e corrida. É difícil, mas quando temos alguns objetivos, temos de pagar um preço por isso”, lembrou.
Foto: Arquivo Pessoal

 

 
E como todo atleta no Brasil, as dificuldades são grandes, principalmente para se manter no esporte. Além da manutenção de treinos diários, Fabiano terá duas provas internacionais pela frente, que exigem grande investimento, em moedas mais valiosas que a brasileira, ou seja, exige um esforço ainda maior.
Começamos com uma rifa de uma televisão de LCD de 50 polegadas, que será sorteada em dezembro. O ganhador poderá optar pela TV ou o valor correspondente, em torno de R$ 2.500. A rifa está no valor de R$ 10 e isso ajudará a custear parte da despesa, que é dm dólar e por isso, precisamos da hospedagem, alimentação, transporte da bike, deslocamento na cidade do evento. É uma tentativa de junto aos amigos, minimizar os custos que são muito altos. Paralelo a isso, estamos abertos a patrocinadores que possam chegar junto em vários sentidos e dessa forma, nossa contrapartida é divulgar no meu uniforme, nas minhas redes sociais e de todas as formas que eu posso fazer”, disse.
Foto: Arquivo Pessoal

 

Mas independente dos desafios, Fabiano não desanima e mostra aos iniciantes que o esporte vale a pena, mas requer dedicação. “Para quem está iniciando, as dicas que eu passo, é que precisa ter afinidade com a modalidade, seja na natação, ciclismo ou na corrida. Se você é mais forte em uma dessas, pode agregar com as outras. É um grande desafio e tem atletas que estão naquela fase “oba-oba”, não tem afinidade e entrou no esporte de qualquer jeito. A atividade física e esportiva é importante sempre, mas quando não se tem conhecimento da coisa, você pode acabar se prejudicando. Antes de qualquer coisa, conheça, estude, pergunte e aí sim, parta para esse desafio. O triathlon é viciante no bom sentido. Acho que se você faz de forma encaixada e dentro das condições, pode ser tornar uma das melhores decisões da sua vida”, finalizou.