9104ba4a c951 48ed b1a9 f434f7c75be9

O técnico Fábio Carille mostrou todo o seu descontentamento com o “oba oba” que rondou o Corinthians por causa do ótimo início de Campeonato Brasileiro da equipe. Com direito a uma rara reclamação a respeito da arbitragem de Wilton Pereira Sampaio, a qual ele avaliou como “sem critério”, o treinador reclamou ao ser questionado se o empate por 0 a 0 com o Avaí havia sido um “tropeço” da equipe.

“Saio daqui muito feliz pelo nosso trabalho, porque vocês (jornalistas) criaram uma expectativa de que seríamos campeões faltando 15 rodadas. Vi pessoas na TV falando isso. É um absurdo. Nossa média de pontuação está até acima da normalidade”, disse o comandante, muito incomodado ao ser questionado se o time estava abalado por não vencer pela segunda rodada consecutiva.

“Não tem que abalar nada, o campeonato será definido nas últimas rodadas. Disparamos no início, mas não vamos conseguir manter 87, 88, 89% de aproveitamento. A exigência é de vocês (jornalistas), nós trabalhamos com os pés no chão”, disse o corintiano, novamente recorrendo a números passados para amenizar os pontos perdidos, como tinha feito contra o Atlético-PR

“eu trabalho com a média pela qual fomos campeões em 2015. A gente trabalha jogo a jogo, estamos conscientes de tudo o que está acontecendo”, avaliou Carille. Para ele, a briga pelo título nem ficará restrita ao time paulista e ao Grêmio, que diminuiu a desvantagem em relação ao líder para seis pontos: 37 a 31.

“Tem muita coisa para acontecer, muita gente para chegar. Grêmio, Flamengo… Grêmio está mais próximo, mas há outras equipes que podem chegar também”, comentou o estrategista corintiano, satisfeito com o que os seus atletas conseguiram apresentar dentro de campo.

“A gente continuou trabalhando bem a bola, girando de um lado a outro, Rodriguinho fez excelente jogo. Foi um jogo dentro da média, dentro do que esperávamos”, concluiu o treinador, que terá agora três dias para trabalhar o elenco até a partida deste domingo, às 16h (de Brasília), contra o Fluminense, no Maracanã.