20b4d13e 5acc 4095 8995 98f334fe3d9f

A manhã deste sábado será a última aparição do brasileiro Ian Matos no Mundial de Esportes Aquáticos de Budapeste, na Hungria. A partir das 9h (horário de Brasília), o atleta disputa a eliminatória do trampolim de 3m sincronizado misto, ao lado de Tammy Galera. O natural de Belém do Pará disputou o trampolim e 1m e 3m individual, acabando, respectivamente, na 33ª e 37ª colocação. 

Além da disputa por medalhas, o quarto colocado em Toronto-2015 (trampolim de 3m sincronizado), trava outra batalha fora das piscinas. Em 2014, mesmo ano em que se mudou para o Rio de Janeiro, o jovem de 28 anos assumiu sua homossexualidade. 

Vendo a sua ação como 'um ato de representatividade', Ian defende que pessoas públicas assumam sua sexualidade. 

- É um movimento político de que a gente precisa. A comunidade LGBT precisa de pessoas falando 'olha, eu sou gay e não tem nenhum problema com isso, eu sou uma pessoa como qualquer outra' - disse em entrevista à ONU. 

Participante da campanha da ONU 'Livres & Iguais', o atleta explica que o machismo está nas pequenas ações. Além disso, para ele, 'a homofobia nasce do machismo'. 

- A gente tem comportamentos machistas, homofóbicos, racistas e a gente não percebe. Às vezes até com palavras pequenas que a gente usa no dia a dia, a gente destila preconceito e a gente nem se toca. Isso é um trabalho de autoconhecimento, de se colocar no lugar do outro, de analisar e tentar ver de uma forma diferente - relata em entrevista à ONU.