Fb8ac6e9 860a 48e2 81f7 a001b9c306d0

O Palmeiras chegou a sair na frente, mas não conseguiu sustentar a vantagem e acabou eliminado pelo Cruzeiro nas quartas de final da Copa do Brasil. Após o empate por 1 a 1 no Mineirão, o técnico Cuca reconheceu que o time não se portou da maneira ideal para segurar o resultado, mas evitou apontar culpados nesta quarta-feira.

“Faltou para nós um pouco mais de maturidade para saber sofrer no final. Não estávamos levando sufoco e tínhamos a maioria dos jogadores (no lance decisivo), mas acabamos sofrendo o gol. Não adianta agora buscar um culpado. É vida que segue”, disse o treinador.

Em vantagem no marcador, o Palmeiras desperdiçou um contra-ataque promissor com o lateral esquerdo Egídio. Ao analisar o revés no Mineirão, o técnico Cuca citou a jogada, mas tratou de absolver o ala canhoto, já amplamente questionado pela torcida alviverde.

“Não podemos criticar o jogador. Ele fez a escolha errada, mas não foi por maldade. Tocar a bola seria mais certo, mas não foi por isso que tomamos o gol lá atrás. Não adianta querer individualizar e culpar um jogador. Pelo contrário”, repetiu o técnico.

Na visão de Cuca, que trocou o atacante Dudu pelo volante Tchê Tchê logo depois do gol de Keno, o Palmeiras pecou por não ter conseguido manter a posse de bola, o que permitiu o inusitado gol de cabeça do lateral direito Diogo Barbosa após cruzamento de Alisson.

“Tínhamos que prender a bola e gastar o tempo. Quisemos valorizar o resultado com a bola longe e não é assim”, reprovou. “Sentimos essa eliminação, porque estávamos com a vaga na mão. Fica uma dor muito grande, mas, como comandante, tenho que saber administrar”, afirmou Cuca.