Aac49a9b 01f0 43ae 91d1 66fe16d96a69 Hernanes marcou gol em reestreia pelo São Paulo (Foto: Luciano Belford/Estadão Conteúdo)

A recuperação do São Paulo, que conseguiu sair da zona de rebaixamento após seis rodadas com uma vitória por 4 a 3 depois de estar perdendo por 3 a 1 para o Botafogo, no último sábado, no Rio, tem dois ídolos em situações opostas: o meia Hernanes e o zagueiro Lugano.

Em uma semana, Hernanes estreou, fez gol, liderou a equipe numa virada importante e ganhou a braçadeira de capitão de Lucas Pratto. Já voltou a ser um dos líderes do time e deve atrair milhares de torcedores para sua estreia no Morumbi, quinta-feira diante do Coritiba. Em sua apresentação, diante do Grêmio, foram mais de 51 mil pessoas, recorde público do Campeonato Brasileiro. “Quando um ídolo chega e dá sua vida pelo escudo que representa, motiva os outros jogadores. Foi a grande mudança”, disse o volante Petros.

Por outro lado, Lugano tem acompanhado a luta contra o rebaixamento como espectador. Desde que Dorival assumiu, ele só foi relacionado uma vez, no jogo com o Vasco. Acabou recebendo cartão amarelo (o terceiro) no banco de reservas - por reclamação - e acabou suspenso da partida seguinte.

Depois de uma renovação polêmica de contrato, definida nos últimos dias de junho, o uruguaio dificilmente será titular a curto prazo, pois Dorival elegeu Arboleda e Rodrigo Caio como titulares. Aderllan chegou como candidato a plano C. Em 2017, Lugano disputou 11 partidas, quatro no Brasileiro.

O uruguaio não reclamou e assumiu o papel de capitão sem braçadeira. Mesmo sem ser relacionado, ele foi ao Morumbi em alguns jogos apenas para motivar os companheiros. No banco, é sempre o que mais grita.

O principal problema para a ausência de Lugano nos jogos é o excesso de estrangeiros. Pelo regulamento do Campeonato Brasileiro, cada equipe pode levar no máximo cinco a um jogo. E a cota do São Paulo já está completa com Arboleda, Cueva, Pratto Gomez e Buffarini.

A situação pode mudar com a chegada de Hernanes, que tomou o lugar de Gomez. O cenário também pode ser modificado se o Boca Juniors confirmar o interesse no lateral Buffarini. Na semana passada, os empresários do argentino confirmaram uma sondagem e aguardam proposta oficial. Ele quer ir embora. “Se chegar algo, vou pensar. Boca é Boca”, afirmou.