13765652110964

Em meio a dois jovens promissores do paratletismo brasileiro, o veterano André Rocha foi eleito Atleta da Galera, em premiação realizada na noite da última segunda-feira, na Sala São Paulo, na capital paulista. Recordista mundial no lançamento de disco na classe F52, o natural de Taubaté (SP) recebeu 60,31% dos votos, contra 22,34% da velocista Verônica Hipólito e 17,35% de Brendow Christian, também do atletismo.

 

Já com o troféu em mãos, o campeão mundial revelou surpresa. Apesar de ter conquistas importantes, como a prata no Para-Pan de Toronto-2015, André acreditava que nem chegaria a final. 

- Estou surpreso. Em meio a trezentos e poucos atletas, eu fui para a final. Não esperava passar nem para a segunda fase. A minha cidade abraçou muito esse prêmio, ela gosta muito de esporte. Foi uma corrente positiva muito forte que acabou contaminando as redes - comentou Rocha, que completa:

- Eu estou muito feliz. Saber que você tem o carinho do público, o respeito das pessoas, não tem presso. Acho que a gente está conseguindo ter cada vez mais pessoas que valorizam o esporte paralímpico num todo. 

No esporte paralímpico há quatro anos - sofreu uma lesão na coluna durante uma perseguição policial - o ex-policial militar conta que vê um crescimento nas modalidades paralímpicas, mas que ainda há um longo caminho pela frente.

- Eu vejo sim um crescimento. Temos percebido bastante gente nova no esporte e isso é muito legal e importante. Porém, ainda acho que falta muito mais divulgação, de forma geral. Ainda tem muito a crescer e melhorar, mas acho que o brasileiro ainda vai vibrar muito com o esporte paraolímpico, porque as Paralimpíadas do Rio de Janeiro mostraram o quanto nós somos eficientes, não deficientes - afirma. 

André ainda comentou sobre o possível corte em 87% em recursos para o esporte brasileiro para o próximo ano. Alegando que verbas oriundas de programas como o Bolsa Atleta são fundamentais para o desempenho esportivo, ele mantém a esperança que de um novo caminho seja traçado. 

- Em outra oportunidade, eu já dei uma declaração falando que eu achava isso um absurdo você querer ter atletas de alto rendimento que cheguem numa Olimpíada e Paralimpíada no seu auge sem ter um apoio financeiro. Sigo com a minha opinião e não acredito que o governo vá fechar os olhos a tanta coisa bonita que o tem acontecido no esporte, a tantos resultados importantes. A gente quer acreditar que isso vai se reverter para continuarmos fazendo o brasileiro sorrir um pouquinho mais, trazer essa alegria para o povo e manter o alto nível no esporte nacional - defende.