Em meio à inédita punição imposta pelo Comitê Olímpico Internacional à Rússia, excluindo o país dos Jogos Olímpicos de Inverno do ano que vem por causa de doping, foi a vez de os jogadores de futebol do país serem acusados de participar do programa ilegal bancado pelo governo de Vladmir Putin.

Grigory Rodchenkov, ex-diretor do laboratório anti-doping de Moscou, prometeu apresentar à Fifa provas de que 34 jogadores de futebol do país também participaram do programa de doping estatal. Segundo ele, alguns teriam disputado inclusive a Copa do Mundo do Brasil, em 2014.

De acordo com a reportagem do site de notícias russo "Interfax", Gianni Infantino, presidente da Fifa, tem se recusado a comentar as acusações de doping também no futebol do país que sediará o Mundial do ano que vem. Ainda assim, a preocupação com o doping na competição é grande e a entidade reconhece isso.

A Wada (Agência Mundial Anti-doping, em inglês) é quem vai cuidar dos testes dos jogadores durante a competição porque a Rusada (Agência Russa Anti-doping) está suspensa por ter cometido uma série de violações ao Código Internacional Anti-doping.