Bahia joga mal e é goleado por 4 a 0 pelo Ipitanga

  • 06/04/2009 04:07
  • Esporte

De olho no jogo contra o Coritiba, quarta-feira, pela segunda fase da Copa do Brasil, o Bahia poupou seus jogadores titulares, mas não foi poupado pelo Tucano, que impôs uma goleada de 4 a 0, que acabou com as chances de terminar a primeira fase em primeiro lugar. Nos últimos 15 anos, não há registro de uma goleada maior que esta sofrida pelo tricolor para uma equipe do interior.


Nesse período, o clube perdeu para o Juazeiro, em 2001, por 4 a 1, e para o Fluminense, em 2006, por 4 a 2, na Fonte Nova. Sem deixar de exaltar a grande atuação do Tucano, que não está brigando pela classificação por causa do seu início ruim, a derrota deste domingo, 5, mostrou mais uma vez para o Bahia, que a opção de poupar a equipe foi errada. Antes, fora também a responsável pela perda da invencibilidade contra o Colo-Colo.


O time foi muito mal na partida e teve uma estreia infeliz, como titular, o garoto Bruno Neves, autor de um gol contra, e atuações pífias de outros atletas como Cadu que, na forma de jogar e na falta de qualidade, lembra o antigo centroavante Selmir. Além do zagueiro Evaldo, que segue sem passar confiança alguma para a torcida.


No jogo de quinta-feira, contra o Camaçari, Gallo já tinha poupado alguns titulares como Leandro, Elton e Beto. Ontem, a mudança foi ainda maior e, daqueles que começaram jogando contra o Camaçari, apenas Marcelo, Rogério, Marcone, Thiago Carpini e Alex Terra voltaram a alinhar desde o início. Além da presença de Léo Medeiros, para ganhar ritmo de jogo. Tudo isso para deixar a equipe na ponta dos cascos para a partida de quarta-feira, contra o Coritiba. O problema é que na primeira vez que Gallo tomou essa decisão, o Bahia perdeu para o Colo-Colo e apenas empatou com o Potiguar, pela Copa do Brasil. No jogo da volta, o tricolor goleou sem poupar na semana.


Apesar disso, Gallo negou que tenha sido a pior partida do tricolor no ano e falou sobre a decisão de poupar o time. “Não me arrependo e, se houver necessidade, vou fazer de novo. Claro que as vitórias massageiam o ego, mas as derrotas servem até para mostrar com quem nós podemos contar”, filosofou. Garantido na elite em 2010, o gestor de futebol do Ipitanga, Renato Braz, valorizou o triunfo e elogiou a ligação entre o Tucano e a torcida de Senhor do Bonfim. “Os torcedores não saem do estádio. Isso é um sonho que está se tornando realidade. Enfim, o Ipitanga tem uma casa”, disse.


Atacante – O Bahia anunciou neste domingo, 5, antes do jogo, a contratação do ex-rubro-negro Joãozinho, de 28 anos. Ele estava disputando a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro, pelo Ipatinga, e terá a chance de ajudar a mais um segundo representante baiano a retornar para a elite do futebol nacional. “É um jogador que tem que adequar a sua condição física para ter um bom rendimento”, disse Gallo, depois do jogo, sobre o novo comandado.