Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Série B do Brasileiro ainda não atingiu nem metade do primeiro turno, mas com a sétima rodada já iniciada, alguns times começam a se desgarrar lá na frente, enquanto outros parecem querer se complicar nas últimas posições. No momento, o Guarani aparece mais próximo do segundo grupo, afinal ocupa a 12ª posição, cinco pontos atrás do último time no G4 e dois à frente do primeiro do Z4.

A matemática, porém, não preocupa. É o que diz o volante Baraka, que vê o campeonato nivelado e com muita perspectiva de mudanças até o final.

O capitão bugrino usa a diferença para o líder Fortaleza como exemplo. Apesar do alviverde estar 12 pontos atrás dos cearenses — com uma partida a menos —, o jogador não considera a distância algo inatingível. "É cedo para pensar em matemática. Vejo o Fortaleza saindo na frente pelo investimento, a folha salarial. Se olhar por essa maneira, vemos o que eles estão colhendo agora, mas o campeonato tem vários fatores e é muito longo. Acredito que isso pode mudar bastante", analisa.

Esse processo de mudança é algo que o próprio Guarani, na visão de Baraka, está passando. O volante reconheceu o peso negativo que teve a derrota no Dérbi, mas os dois resultados seguintes (vitória sobre o Criciúma e empate com o Goiás) impediram que a equipe entrasse numa sequência negativa. Isso é considerado fundamental para que o Bugre não perdesse a confiança.

"A gente sentiu, assimilou isso e trabalhamos para recuperar nas partidas seguintes e pontuar. Isso aconteceu, reagimos ao momento de dificuldade e isso deixou o grupo mais confiante para a sequência", destaca o volante.

No sábado, contra o CRB, o time tem a chance de emendar mais um resultado positivo para, além de melhorar na tabela, reforçar esse novo momento. “A gente tem que se impor. Dentro da partida não temos controle do resultado, mas podemos trabalhar forte para fazer um bom jogo”, conclui Baraka.