Foto: Rodrigo Veridiano D951f787 e252 4ea3 8143 b789b750088f

A má fase do CRB no Campeonato Brasileiro da Série B chegou ao seu ponto alto, na tarde desta terça-feira (14). Cerca de 200 torcedores protestaram no Centro do Treinamento “Ninho do Galo”, na Barra de São Miguel, pediram a saída de dirigentes e intimidaram jogadores.

Como o protesto já vinha sendo anunciado pelas redes sociais, a diretoria do clube se antecipou e solicitou a presença da Polícia Militar, que mandou quatro viaturas e colocou militares fazendo um cordão de segurança na porta do CT.

Os torcedores chegaram em carros particulares, motos e até ônibus e num grupo de aproximadamente 200 pessoas, ficaram a princípio, com faixas. Uma delas dizia “Abaixo a Ditadura”, uma vez que alegavam que o presidente do clube não ouvia mais os torcedores.

Diante da insistência e visando evitar maiores problemas, os portões foram abertos, mas não houve controle. Os torcedores se espalharam pelo CT e acabaram cruzando com jogadores, que foram intimidados, casos do zagueiro Flávio Boaventura, do volante Feijão que chegou a ser empurrado e do atacante Mazola.

Foto: Rodrigo Veridiano

 

O goleiro João Carlos, o atacante Neto Baiano e até o técnico Doriva, se reuniram com torcedores e tentaram acalmar os ânimos. O grupo que protestava chegou a reforçar o apoio ao treinador, mas reiterou que alguns atletas deveriam deixar o grupo regatiano.

Depois de minutos de tensão, a Polícia Militar conseguiu conter os torcedores e promover a retirada dos mesmos. O clube ainda não se pronunciou oficialmente sobre os acontecimentos.

O CRB passa por uma crise dentro de campo. A equipe alvirrubra ocupa a 18ª colocação da tabela de classificação da Série B, com 21 pontos ganhos e viaja nesta quarta-feira, para enfrentar o Vila Nova fora de casa, na sexta-feira, às 20h30 no Estádio Serra Dourada.