Foto: Thiago Parmalat/RCortez/Ascom-CSA 6512cbed 3b2e 4c8d 83ab 57d23aed52e7

Um verdadeiro teste para cardíaco. O CSA jogou melhor na noite deste sábado (18) no Estádio Rei Pelé, criou mais chances, sofreu diante do São Bento, mas marcou aos 41 do segundo tempo com Leandro Souza e segue firme e forte na vice-liderança da Série B. 1 a 0.

A equipe alagoana repetiu a história da partida diante do Juventude, a última em casa, quando também marcou no final. A vitória levou o CSA aos 37 pontos, agora a seis pontos do líder disparado, Fortaleza. Na próxima rodada, já na terça-feira, a equipe alagoana enfrenta o Oeste fora de casa.

HOMENAGEM

Antes da bola rolar no Rei Pelé, um dos destaques do time foi homenageado. O meia Daniel Costa completou 100 jogos pelo time do Mutange e foi presenteado pela diretoria com um quadro e uma camisa alusivas ao número de partidas.

Foto: Thiago Parmalat/RCortez/Ascom-CSA

 

Essa é a segunda passagem de Daniel pelo CSA, sendo a primeira em 2014, voltando ao clube em 2017. Desde então, foram gols, assistências e os títulos Brasileiro da Série C do ano passado e Alagoano deste ano.

O JOGO – 1º TEMPO

Quando o jogo começou, o CSA foi empurrado pela torcida que compareceu em bom número ao Estádio Rei Pelé e o time marujo começou estudando o adversário, que por outro lado partiu para cima e até arriscou um chute, mas sem perigo para o goleiro Lucas Frigeri.

Aos poucos, o time marujo ganhou campo, tinha maior posse de bola e começou a assustar. Por duas vezes, a primeira com Juan e a segunda com Rafinha, o time da casa chegou perto de abrir o placar.

Foto: Thiago Parmalat/RCortez/Ascom-CSA

 

Percebendo a superioridade da equipe alagoana, o São Bento tentava congestionar o meio de campo e dificultar a saída do time azulino. O CSA de fato não conseguia chegar na área e arriscava de longe e assim, quase marca. Yuri arriscou da intermediária, o goleiro Rodrigo Viana escorregou, mas a bola caprichosamente passou rente a trave.

Apesar das tentativas, o time marujo não furou o bloqueio adversário. Final do primeiro tempo, 0 a 0.

2º - TEMPO

Na volta para o segundo tempo, o técnico Marcelo Cabo resolveu mudar e promover a estreia do meia Neto Berola, que entrou no lugar de Juan, deixando claramente a intensão do treinador azulino de atacar.

Porém, o jogo era mais fechado que no primeiro tempo. O São Bento seguia com a estratégia de travar o jogo e aproveitar os espaços deixados. Assim, Ricardo Bueno e Joãozinho tentaram chegar ao gol azulino e ficaram perto do gol defendido por Lucas Frigeri.

Foto: Thiago Parmalat/RCortez/Ascom-CSA

 

Apesar da dificuldade, o CSA era quem mais tentava, pelo menos. Em jogada de Rafinha, Didira desviou e assustou o goleiro Rodrigo Viana. Minutos depois, foi a vez de Neto Berola fazer um carnaval na área e cruzar com perigo, com a defesa quase marcando contra.

Os reforços de peso do CSA estavam em campo. Depois de Neto Berola, Jhon Cley e Pio também entraram, justamente numa prova de fogo, diante da dificuldade que a partida mostrava, deixando tenso quem estava em campo e na arquibancada.

E o meia Pio seria fundamental na reta final do jogo. Conhecido por suas bolas paradas, bateu um escanteio com estilo e acertou o travessão, quase marcando o gol olímpico. Mas aos 41 minutos, a jogada foi efetiva. Cruzamento na área que encontrou o zagueiro Leandro Souza, que de cabeça, mandou para o fundo do gol. CSA 1 a 0 e festa no Rei Pelé.

Seis minutos de acréscimo para aumentar ainda mais a ansiedade da torcida azulina. Nos últimos lances jogo, Neto Berola ficou perto de ampliar, livre, mas chutou em cima do goleiro Rodrigo Viana. Logo depois, Alemão teve a chance, driblou o goleiro e mandou para fora. Final de jogo no Rei Pelé, CSA 1 x 0 São Bento.