Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O CSA retornou ao Campeonato Brasileiro da Série B depois de 25 anos, alimentando sonhos, mas com um objetivo principal: Garantir a permanência na segunda divisão nacional. Depois da vitória sobre o Figueirense fora de casa, o time marujo chegou aos 46 pontos e garantiu matematicamente a sequencia na competição. Porém, o grupo tem um novo e possível objetivo pela frente, o acesso. Mas uma pergunta não quer calar: O acesso é possível?

O MinutoEsportes fez um “pente fino” na campanha do time azulino na Série B até agora e o aproveitamento é dos melhores. Foram 26 jogos, com 13 vitórias, sendo um dos times que mais venceu, junto com Goiás (13) e o Fortaleza (14), 7 empates e 6 derrotas, ficando como um dos três que menos perderam, ao lado de Avaí (6) e Vila Nova (6), resultando num aproveitamento de 59%, atrás apenas do líder Fortaleza com 60,3%.

PRIMEIRO OBJETIVO: A PERMANÊNCIA

A campanha do CSA surpreendeu a todos, incluindo crônica esportiva, a torcida e até o próprio clube, que preferiu destacar o trabalho e o planejamento. Por sinal, o projeto desde o início e mesmo com a boa fase, era garantir a manutenção.

Inúmeras foram as entrevistas do presidente executivo Rafael Tenório, do Conselho Deliberativo Raimundo Tavares, do técnico Marcelo Cabo e dos jogadores, mantendo o discurso “pé no chão”, de que o time iria buscar a permanência.

O número 45 foi citado desde o início da Série B, diante da necessidade de atingir os pontos necessários para continuar na segunda divisão nacional. A matemática é simples, baseada nas últimas edições da competição.

Foto: Ascom-CSA

 

Nas últimas três edições do Brasileiro da Série B, os clubes se salvaram marcando a seguinte pontuação:

2015

16º Colocado – 44 Pontos

2016

16 Colocado – 41 Pontos

2017

16º Colocado – 44 Pontos

Seguido essa lógica, ao atingir os 46 pontos na tabela de classificação, o CSA tem a sua permanência garantida para a Série B 2019.

Radialista Emerson Junior (Foto: Arquivo Pessoal)

O radialista Emerson Junior acompanha de perto o dia a dia dos clubes alagoanos e se destaca nas redes sociais pelo grande número de informações de bastidor.

Apesar da surpresa com a campanha, Emerson aponta que o planejamento foi a chave do sucesso para o desempenho do CSA. “A campanha que o CSA está fazendo vem surpreendendo, mas o planejamento de meta foi muito bem traçado pela direção através de premiações. A expertise e conhecimento do Cabo na competição também vem fazendo a diferença”, afirmou e destacou que o time do Mutange estaria pronto para disputar uma Série A.

“Está preparado sim. O Rafael Ténorio sabe como ninguém administrar receitas e na Série A o CSA receberá um aporto financeiro sensacional”, comentou.

SONHO DO ACESSO

Chegar à primeira divisão segue como um sonho para o CSA. O time precisa manter a regularidade na competição, talvez a maior entre todos os participantes, uma vez que não passou por grandes crises na competição e sequer, perdeu dois jogos seguidos.

Além disso, nas últimas rodadas o time alagoano tem sofrido uma pressão dos adversários diretos e com maior experiência na elite do futebol brasileiro, como Atlético Goianiense, Goiás e Avaí.

Técnico Marcelo Cabo é um dos destaques do CSA (Foto: Arquivo Pessoal)

 

No entanto, o sonho não é tão distante. Nas últimas três edições da Série B, as equipes que garantiram o acesso precisaram atingir o número mínimo seguinte:

Série B 2015

4º Colocado – 65 Pontos

Série B 2016

4º Colocado – 64 Pontos

Série B – 2017

4º Colocado – 64 Pontos

Pensando nestes números, o CSA terá pela frente 12 jogos, sendo seis em casa e seis fora, incluindo o clássico diante do CRB, 36 pontos à disputar e precisando somar entre 18 e 20 pontos para terminar entre os quatro melhores e assim, garantindo o sonho do acesso.

Presidente do Conselho Deliberativo, Raimundo Tavares (Foto: Thiago Davino)

Presidente do Conselho Deliberativo do CSA, Raimundo Tavares destacou o trabalho que vem sendo feito, o primeiro objetivo cumprido e a próxima meta do clube marujo.

“O primeiro objetivo que era a permanência, foi alcançado com 13 rodadas de antecedência. Agora, é inevitável que nesse segundo momento, busquemos o acesso e estamos trabalhando por isso, mas a euforia ficará por parte da torcida. Nós que dirigimos, teremos de ter muito cautela, junto à comissão e aos jogadores, para que as coisas aconteçam de forma favorável daqui para frente”, destacou.

Raimundo ainda lembrou que o CSA esteve ausente de grandes competições e por isso, tem chamado atenção em nível nacional. “O CSA é um clube grande, mas que estava ausente de uma competição por muitos anos e tem sido uma surpresa grande a campanha. Temos de ficar atentos a tudo, porque a visibilidade é grande, os olhos de todos estão voltados para o CSA. Daí a necessidade de atenção em todos os aspectos”, avaliou.

Por fim, destacou que a reta final da Série B será um grande desafio para o CSA. “A reta final é muito perigosa. Temos grandes times lutando pelo acesso, como Fortaleza, Goiás, Atlético Goianiense, Avaí, Figueirense, Ponte Preta e o CSA que está a 23 rodadas entre os quatro melhores. A atenção deve ser redobrada, porque todos querem chegar, mas nós vamos buscar o nosso espaço. A meta agora é o acesso e o título seria a cereja do bolo”, concluiu.

Seguindo esse planejamento, o CSA volta à campo na próxima terça-feira, diante do Vila Nova, ás 19h00 no Estádio Rei Pelé.