F36e5411 1a6e 4566 814a 71596cf913ee Verdão alega interferência externa para o árbitro voltar atrás em marcação de pênalti (Foto: Jales Valquer/Fotoarena/Estadão Conteúdo)

A final do Campeonato Paulista de 2018 terá um novo capítulo na quarta-feira pela manhã. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anunciou nesta segunda-feira a data do novo julgamento sobre a reclamação do Palmeiras pela existência de interferência externa na decisão do Estadual. O jogo, vencido por 1 a 0 pelo Corinthians, foi realizado em 8 de abril.

O STJD aceitou conduzir o caso a partir de dia 16 de agosto, quando o órgão se reuniu e acatou a reclamação do Palmeiras. Na esfera estadual, no TJD, o clube acabou derrotado pois os auditores argumentaram que o departamento jurídico alviverde havia perdido o prazo para reclamar sobre a partida. No STJD, porém, o entendimento foi outro e o órgão assumiu a responsabilidade pelo processo.

Além de reclamar ao STJD sobre o prazo, algo que o Palmeiras conseguiu, o clube aguarda agora ter o principal questionamento acolhido. A diretoria argumenta que houve interferência externa para o árbitro Marcelo Aparecido de Souza marcar e depois de oito minutos cancelar um pênalti do corintiano Ralf no atacante Dudu, no segundo tempo daquela decisão.

O Palmeiras recorreu a vídeos, imagens e elaborou um documento com mais de cem páginas para reforçar a tese de que o árbitro voltou atrás na marcação do pênalti e assinalou escanteio após ser comunicado por alguém que estava fora do campo. A diretoria até contratou uma empresa americana especializada em inteligência, a Kroll, para ajudar a elaborar o material.

Se não tiver sucesso no STJD, a diretoria indicou que não desistirá de tentar impugnar a final do Estadual. O Palmeiras sinalizou anteriormente o objetivo de enviar o caso para tribunais internacionais do esporte.