Foto: Fotos: Morgana Oliveira / RCortez/ Ascom CSA Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Didira

Se não foi um primor técnico, serviu para o técnico Marcelo Cabo avaliar os jogadores do atual grupo do CSA. Na tarde deste sábado (12) o time marujo recebeu o Central de Caruaru no Estádio Rei Pelé e venceu por 2 a 1.

O teste serviu como preparação para as duas primeiras competições da temporada. Na terça-feira a equipe azulina estreia na Copa do Nordeste diante do Vitória no Rei Pelé e no domingo, inicia a caminhada no Alagoano contra o Dimensão Saúde em Capela.

O JOGO

A torcida não lotou, mesmo com a entrada sendo 2Kg de alimento não perecível, mas compareceu em bom número ao Rei Pelé. Porém, os primeiros minutos de jogo não foram dos melhores.

O técnico Marcelo Cabo mandou à campo o mesmo time que escalou no último coletivo em Palmeira dos Índios, com  João Carlos, Celsinho, Rony, Luciano Castán e Pedro Rosa; Dawhan, Amaral e Matheus Sávio; Régis, Didira e Patrick Fabiano.

 

O forte calor e a falta de entrosamento dificultaram o jogo do CSA. Aos poucos, a superioridade técnica do time alagoano foi aparecendo e as chances surgindo. Porém, as redes só balançaram nos últimos minutos.

Aos 44 minutos, Matheus Sávio cruzou na área e o zagueiro Rony, remanescente da temporada 2018, subiu mais que a defesa adversária e testou para o fundo das redes. Festa no Rei Pelé.

Mas a folia azulina durou pouco. Aos 47 minutos o Central de Caruaru empatou o jogo. Novamente na bola aérea, dessa vez o zagueiro Xandão desviou de cabeça e deu números finais ao primeiro tempo. 1 a 1.

Na segunda etapa o técnico Marcelo Cabo mudou praticamente toda a equipe, mantendo apenas o meia Didira e voltou com a seguinte formação: Fabrício; Léo, Gerson, Lucas Rafael e Rafinha; Mauro Silva, Jonathan, Victor Paraíba e Jhon Cley; Didira e Lohan.

Aos 5 minutos de jogo o time da casa voltou a liderar o placar. Jhon Cley fez boa jogada, mas a bola acabou sobrando para o estreante Lohan, que ganhou da defesa e emendou parta o gol. 2 a 1.

A partir daí, o ritmo da partida caiu e o CSA priorizou o toque de bola, administrando o resultado e garantindo assim, a vitória por 2 a 1 no Estádio Rei Pelé.