Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

ois dos três sobreviventes do incêndio do Flamengo, no CT do Ninho do Urubu, voltaram ao local da tragédia nesta segunda-feira. Pela primeira vez, Francisco Dyogo e Cauan Gomes retornaram com os demais companheiros aos trabalhos no local, que estavam suspensos desde o fatídico dia, 8 de fevereiro, quando dez meninos faleceram e ainda Jhonata Ventura, o terceiro sobrevivente, teve 30% do corpo queimado.

Tanto Dyogo quanto Cauan postaram imagens nas redes sociais para mostrar essa volta. No entanto, os meninos só podem treinar no CT e ainda estão proibidos de dormir no local.

"Depois de tudo que aconteceu, estou de volta a minha casa", escreveu Cauan no Instagram ao postar vídeos no Instagram Stories.

"Estamos de volta a nossa casa", disse o goleiro Francisco Dyogo.

Com a liberação da Justiça para uso parcial da estrutura, o clube colocou primeiro o time sub-14 para iniciar as atividades na sexta-feira e o sub-15 nesta segunda. Aos poucos, outras categorias chegarão.

O Flamengo cumpriu a exigência sobre a ambulância, mas vai recorrer à Justiça por não concordar com a decisão. O custo de uma ambulância pode chegar a R$ 45 mil por mês.

Enquanto as atividades do restante da base não retornam ao Ninho do Urubu, os jogadores seguem treinando na Gávea, no CEFAN ou no CT do Audax, em São João de Meriti.