(Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia) Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O CSA por muito pouco não conseguiu um bom resultado fora de casa. Na noite deste sábado (31), o time marujo jogou duro contra o Bahia, chegou a desperdiçar chances, mas acabou sofrendo gol no final do jogo e perdendo em Salvador. 1 a 0.

A derrota mantém o CSA na 19ª posição com 12 pontos na tabela de classificação. Na próxima rodada, o time marujo recebe a Chapecoense no Estádio Rei Pelé, no próximo domingo, às 19h00.

O JOGO – 1º TEMPO

Quando a bola rolou na Fonte Nova, o que se viu foram minutos de muito estudo e respeito. O Bahia mesmo em casa, com apoio da sua torcida que compareceu em grande número, não se arriscava e esperava o CSA. O time marujo por sua vez, que não apresenta poder ofensivo, também cadenciava o jogo esperando espaços.

Aos 20 minutos, a primeira chance do Bahia. Gilberto e Ronaldo Alves se enroscaram na área e o árbitro foi conferir o VAR. Pênalti marcado para o Bahia. Arthur bateu e parou em defesa de Jordi, que segue fazendo milagres na Série A.

Depois da penalidade o CSA acordou no jogo e teve duas boas oportunidades. Primeiro, Alecsandro foi lançado e escorou para Jonathan Gomez, que mandou para fora. Minutos depois, depois de grande jogada de Euller, o volante Dawhan ficou livre na área, podendo escolher o canto para bater e mandou em cima do argentino, companheiro de equipe.

Ainda no primeiro tempo CSA sofreu uma baixa. Euller pediu para deixar o jogo com problemas musculares e acabou substituído por Maranhão, mudando o estilo de jogo da equipe azulina.

O primeiro tempo seguia com cara de empate, mas o Bahia teve duas oportunidades incríveis nos acréscimos. Com os pés e com a cabeça, Gilberto desperdiçou oportunidades de abrir o marcador. Final do primeiro tempo, 0 a 0.

2º - TEMPO

Veio a segunda etapa e o Bahia seguiu desperdiçando oportunidades. Guerra foi lançado em velocidade, percebeu Jordi adiantado e tentou por cobertura, mandando por cima e perdendo uma grande chance.

O Bahia seguia melhor, tinha maior volume de jogo, mas o que se via era um time que parecia temer os contra-golpes. O CSA apesar da limitação ofensiva, trabalhava bem a bola pelos lados do campo e ameaçava a defesa adversária, apesar de não chutar.

Aos poucos o time da casa intensificava uma blitz contra o CSA. O técnico Argel Fucks trocava peças no time alagoano, mas Roger Machado seguia mandando o time baiano para frente. A reta final se aproximava e a bola parada seria a salvação do Bahia.

Aos 40 minutos, falta na entrada da área para o time da casa, três jogadores na bola e Artur Caíke foi para a bola, mandando sem chances para o goleiro Jordi. 1 a 0.

Depois do gol o Bahia se aproveitou da posse de bola, para fazer o tempo passar. O CSA não tinha força para pressionar e tinha que esperar vacilos, que o Bahia não parecia querer dar, com o jogo seguindo até os 49 minutos.