Gabriel Moreira/Kaizen Filmes Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Atualmente, o judô é um dos esportes mais populares no Brasil e no mundo, e está presente mais uma vez na Fase Final dos Jogos Universitários Brasileiros. O que pouca gente sabe é que a relação entre a modalidade e a ciência é muito próxima. Calma, a gente explica.

Ação e reação

O esporte foi fundado pelo mestre Jigoro Kano que, quando ainda jovem, fundou o Instituto Kodokan, termo que, de acordo com a Confederação Brasileira de Judô, significa “um lugar para estudar o caminho”. Formado em Filosofia, Economia e Ciência Política, Kano se dedicou a explicar cientificamente os golpes das antigas formas de autodefesa a partir das leis da física.

A partir das leis de dinâmica, ação e reação, o mestre classificou as melhores técnicas nos golpes do jiu-jitsu, outra arte marcial japonesa, que deu origem ao judô.  A palavra que dá nome ao esporte também tem significado: “caminho suave”, isso porque, a intensão de Kano era que a prática do Judô trabalhasse não só o físico, mas a mente e o espírito a partir de uma linha filosófica e um código moral dentro do esporte.

Entre os conceitos que envolvem a prática do judô estão: cortesia, coragem, respeito e amizade. O resultado é uma modalidade que pode ser praticada por homens, mulheres, crianças ou idosos, de qualquer altura e peso. O código moral incluiu ainda: honestidade, honra, modéstia e autocontrole.

Do Japão para o Brasil

Ainda de acordo com a Confederação Brasileira de Judô, a imigração japonesa foi o fator mais importante para a popularização do esporte aqui no país. Entre as décadas de 20 e 30 que surgiram as primeiras academias de judô em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Belém. No interior do país, destaque para o norte do Paraná no pioneirismo da prática do judô.

O esporte faz também faz parte da história da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU). Em 1978, o Rio de Janeiro recebeu o Mundial Universitário de Judô. Com o Maracanãzinho lotado, o brasileiro Oswaldo Simões conquistou a medalha de ouro na competição.

Hoje, a modalidade é umas das mais fortes dentro do esporte universitário, afinal, os principais atletas do judô brasileiro passaram pelo tatame das competições universitárias: Aurélio Miguel, João Derly, Luciano Corrêa, Tiago Camilo, Flavio Canto, Rafael Silva (Baby) e Gabriela Chibana.

Judô no âmbito universitário

A prova de que a modalidade é uma das mais fortes no meio é que, até hoje, todos os atletas que medalharam nos Jogos Olímpicos passaram pelo sistema universitário.

Judô na Fase Final

As competições na Fase Final do JUBs vão acontecer no maior centro de treinamento das Américas. Inaugurado em 2014, o Centro Pan-Americano de Judô (CPJ) fica no município de Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador. Em frente à Praia de Ipitanga, são mais de 20mil m² de área construída. Com uma estrutura moderna, o ginásio é climatizado e com capacidade para quase duas mil pessoas.