Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Uma das grandes esperanças do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio em 2020 é uma jovem de apenas 20 anos, mas que já é melhor do mundo no que faz. Nascida em São José dos Campos, interior de São Paulo, Pâmela Rosa tem uma paixão na vida: o skate.

Foi o primeiro amor da infância e desde então o sentimento só aumenta. “Tinha 8, 9 anos, e um amigo da minha irmã foi fazer um trabalho de escola em casa, ele levou o skate dele e fiquei apaixonada quando vi. Depois meus pais viram que eu gostava mesmo e compraram um para mim”, lembra Pamela.

A vaga para os Jogos Olímpicos vai ser definida em maio do ano que vem e levará em consideração o ranking mundial de skate. As 20 melhores atletas têm vaga garantida, desde que sejam duas por país. Atualmente as duas brasileiras mais bem classificadas na categoria street são Pamela Rosa e Rayssa Leal, de 12 anos.

A brasileira sabe que a disputa vai ser complicada, mas reconhece que vive uma fase espetacular e se dedicou muito para conseguir chegar tão longe na carreira. “Venho de um ano incrível. Nesses 10 anos de skate posso dizer que foi o melhor de todos. Minha dedicação sempre foi grande, ao longo dos outros campeonatos nos anos anteriores tive essas oportunidades de conquistar o mundo”, comemora a skatista.

Dedicação e trabalho

Enfrentar grandes desafios não é novidade na vida de Pamela. Com 15 anos, ela disputou os X-Games, as olimpíadas dos esportes radicais, e foi a atleta mais jovem a subir no pódio na competição. Conquistou uma prata em Austin, no Estados Unidos, em 2014. Foi só a primeira, atualmente já tem seis medalhas: dois ouros, três pratas e um bronze.

Ela diz que ter foco é umas das suas principais características. “Deixei de fazer muitas coisas com amigos, me divertir com família e até mesmo fazer outros esportes. Então precisei me focar mais. Preciso de foco para conseguir fazer um pouco de tudo”, explica a melhor do mundo.

Mas esse concentração toda só foi possível graças ao apoio de dona Evânia e seu Paulo, pais de Pamela. O primeiro skate dela foi comprado com o dinheiro da conta de luz da família. 

O casal é responsável por tudo dar certo na vida dela. “Eles fizeram e fazem tudo por mim. Correm atrás de tudo para que nada aconteça errado, estão comigo sempre”, conta a brasileira.

Evânia e Paulo, ao lado de Rafaela Silva (campeã olímpica de judô), são os ídolos de Pamela. “Os três são as minhas maiores inspirações. ”

É só o começo

As vitórias no esporte e na vida de Pamela são só os primeiros capítulos da biografia da garota que ainda não sabe dizer até onde quer checar. “Eu vou até onde minhas pernas aguentarem”, diz a brasileira e depois cai na risada.

Com apenas 20 anos, os sonhos dela não poderiam ser muito diferentes mesmo.