Pais de bebê prestam depoimento à Polícia Civil

  • annaclaudia
  • 27/04/2009 09:41
  • Polícia
Na manhã desta segunda-feira (27), os arquitetos Norman Dowell e Renata Jobim, pais do bebê Gabriel, de três meses de idade, arrastado com uma cadeirinha de um automóvel, durante assalto no bairro de Ponta Verde,  prestaram depoimento. Eles foram ouvidos pelo delegado de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV), Alcides Andrade. Além deles, a avó do bebê, Lúcia Jobim, que estava no local do assalto, também foi ouvida.

Conforme o relato de Renata Jobim, ela saía de um edifício na Avenida Sandoval Arroxelas junto com o filho Gabriel e a mãe dela, Lúcia Jobim, quando foi abordada por três rapazes, dois deles armados. Ela pediu para retirar o bebê que estava no banco traseiro, mas antes de pegá-lo, os assaltantes deram partida no carro e o bebê ficou pendurado e foi arrastado com a cadeirinha presa pelo cinto.

A mãe do bebê conversou com a imprensa e confirmou o depoimento do motoqueiro Franklin Menezes, de que os assaltantes parecem ser de menores. Apesar do empenho da polícia em esclarecer o caso e deter os criminosos, Renata Jobim acredita que por serem menores de idade, a lei não é tão rigorosa e afirmar ter medo de que nada aconteça com eles.

A avó da criança, Lucia Jobim, que estava no momento do assalto, também está na delegacia e ratifico o que foi dito por Franklin, de que os criminosos eram adolescentes. Por ter ficado vários minutos sob a mira do revólver de um dos bandidos, Lucia afirmou que conseguiria reconhecer os assaltantes.

Sobre o estado de saúde do neto, ela diz que apesar dos ferimentos no braço e rosto devido ao assalto, Gabriel passa bem. "Foi um milagre de Deus ele está vivo e entre nós. O que queremos agora é justiça", disse.

O delegado Alcides Andrade afirmou que vai fazer o retrato-fala dos acusados, e fez um apelo para quem tiver alguma informação que ajude a identificar os criminosos, ou até mesmo que saibam a localização dos mesmos, procurem a polícia, ainda que anonimamente, por meio do Disque Denúncia da Polícia Civil: 0800 284-9390.