Exclusivo: PM acusado de extorsão comandou duplo homicídio no Trapiche

  • carlinhos
  • 28/04/2009 04:36
  • Polícia
Revolta, medo e sensação de impunidade são estes os sentimentos que dominam os parentes, amigos e vizinhos dos primos  Jedson Balbino dos Santos, 35 anos e José Aloisio da Silva Filho, 34 anos, barbaramente executados na noite de domingo em frente a uma casa de shows localizada na Rua Cabo Reis, Trapiche da Barra.

Após um trabalho investigativo, o Cadaminuto rompeu o silêncio de pelo menos três testemunhas e descobriu que um PM, que já foi acusado de extorsão contra o empresário arapiraquense Mario Jorge, também executado há oito meses, teria sido o responsável pela execução dupla.

Horas antes, todos os envolvidos no crime estavam no Bar do Amauri, na Avenida Siqueira Campos bairro do Trapiche da Barra, quando segundo testemunhas, um desentendimento banal causou uma discussão entre o grupo do militar e os três jovens (além dos dois que foram mortos outro rapaz, que o Cadaminuto prefere não identificar pois também está jurado de morte, estava presente)

Quando os jovens estavam chegando em casa quatro homens, em um Gol Branco com a placa coberta por um plástico, os abordaram e abriram fogo em plena rua, matando imediatamente os dois rapazes.

Pelo menos duas testemunhas afirmam conhecer os quatro envolvidos e dizem que além do PM, outros três policiais civis participaram da execução, o que dá a certeza, segundo eles, que este crime ficará impune.

“Não existe justificativa para uma barbaridade desta, uma discussão banal causa a morte de duas pessoas que nunca tiveram problemas com ninguém” disse um parente que não quis se identificar.

“Este PM já foi preso, tem um histórico de crimes e recentemente foi promovido, é extremamente revoltante que nós estejamos pagando com nossos impostos um assassino armado” disse outra testemunha.

O Cadaminuto acompanhou o enterro dos dois jovens e verificou in loco o medo e a tensão que cerca a família das vítimas.”Nós não queríamos que este crime ficasse impune mas qualquer coisa que fizermos poderá ser fatal” explicou um amigo dos dois.