Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Diego Hypólito abriu o jogo sobre as críticas que têm recebido por causa de um encontro que teve, recentemente, com o presidente da República, Jair Bolsonaro. Para a revista Veja, o ginasta afirmou que chegou a receber ameaças de morte.

“Passei alguns dias com medo de sair de casa. Estou muito deprimido e desenvolvi síndrome do pânico. Fui ameaçado de morte, maltratado e xingado de tudo nas redes sociais. Nunca vivi nada igual, sinceramente”, comentou ele.

O famoso detalhou como recebeu as ameaças: “Depois do encontro em Brasília, estava em uma boate e precisei sair escoltado por seguranças. Um grupo de gays que estava lá começou a me vaiar, me perseguir. Alguns até tentaram me bater. Estou sentindo tanto pavor que resolvi contratar um segurança particular”.

Na entrevista, Diego Hypólito ainda esclareceu o encontro com o presidente. “A primeira-dama me mandou uma mensagem em que dizia que queria tomar um café comigo. Aproveitei que já ia a Brasília encontrar a família do meu namorado e topei. Meu objetivo era falar de esporte. No Palácio da Alvorada, ao lado de Michelle, soube que Bolsonaro gostaria de me conhecer. E foi“, disse ele.

“Se o presidente da República pede para tirar uma foto, você diz o quê? Não? Sou apartidário e anulei meu voto. Honestamente, não imaginava essa onda de ódio”, disparou o famoso.