Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O CSA brigou e lutou até o último instante para se manter na primeira divisão, mas a limitação do elenco falou mais alto e o clube acabou sendo rebaixado. Agora, a meta em 2020 é retomar seu lugar na Série A.A diretoria do Azulão anunciou uma série de mudanças no elenco para a temporada deste ano com alguns jogadores bem conhecidos no futebol brasileiro. Um deles é o atacante Diego Maurício, formado nas categorias de base do Flamengo, que retorna ao país após cinco anos atuando na Ásia

Em entrevista exclusiva ao LANCE!, Diego contou quando recebeu o primeiro contato da diretoria do Azulão e comemorou o acerto para atuar no clube de Alagoas.

- As conversas foram iniciadas antes do natal e nós chegamos a um acerto final no dia 5 de janeiro. Bom para todos que deu tudo certo, e hoje já estou de volta ao Brasil já na fase de pré temporada treinando com grupo. Me sinto muito bem, todos jogadores, presidente e todo o staff do clube me receberam super bem -, afirmou.

O CSA não foi o único clube disposto a repatriar o jogador de 28 anos, mas o projeto da diretoria do clube foi o principal fator atrativo para que o atacante aceitasse a proposta.

- Tive outras propostas sim, propostas muito boas, mas o projeto do CSA foi o que eu achei melhor para a minha volta ao Brasil. O clube vem se estruturando e com certeza esse ano vai brigar pra voltar à Série A do ano que vem. Espero fazer o melhor por essa equipe -, revelou.

A tendência que se toma na pré-temporada do clube é que Diego Maurício faça parte do ataque ao lado de outro jogador experiente que fez seu nome no futebol carioca: Rodrigo Pimpão, de 33 anos, que assinou com o CSA após passagem pelo Botafogo.