Moradores da Ponta Verde continuam sem água e energia após fortes chuvas

  • wadson
  • 04/05/2009 12:14
  • Maceió
Moradores do edifício Ametista 4, localizado na rua Manoel Ribeiro da Rocha, no bairro da Ponta Verde, ainda estão sem água e energia elétrica  devido as fortes chuvas da última sexta-feira (30). Na manhã desta segunda, foi retirada a areia da garagem e contabilizado os prejuízos no edifício. A situação é tão agravante, que alguns condôminos estão em hotel e na residência de familiares, até que situação seja resolvida.   

O administrador do edifício, Marcos Costa, contou para a reportagem do Cadaminuto que não sabe atribuir se culpa do alagamento é da prefeitura de Maceió ou da Construtora V2. Toda parte elétrica do edifício foi condenada por técnicos da Ceal.

“Procuramos a Defesa Civil para tentar resolver o nosso problema, mas até hoje estamos esperando alguma resposta. Entraremos na Justiça para ver de quem é a reponsável por esse caos”, disse Marcos.

A água da chuva que entrou na garagem fica no subterrâneo e danificou um gerador, toda subestação elétrica, nove carros e duas motos. Foram necessárias 50 viagens de um caminhão-pipa para retirada da água. O barro ainda está sendo retirado e vai precisar de uma caçamba.  Dentro da garagem também foi encontrado materiais de construção com pregos e madeiras.

O morador Valdir Sampaio quer uma solução imediata para o problema. “Não podemos ficar desse jeito sem água e energia. A construtora ou a prefeitura tem que tomar as providências colocando as pessoas em algum hotel”, falou Sampaio.

Elis Vasconcelos Lessa, teve seu carro Ford Ka danificado pela água, apenas com 300 km de uso. Ela conseguiu levar o carro para a concessionária depois de muito esforço. “Foi necessário chamar cinco caminhões guincho, para retirar meu carro da garagem. Apenas no sábado à tarde conseguiram remover”, falou indignada, Elis Vasconcelos.

As duas motos permanecem no mesmo local e os proprietários optaram não mexer em nada até ser resolvido alguma coisa justiça. O prédio deve permanecer sem água e energia durante toda semana. Por fim, os moradores reclamaram que quando chove a rua fica inundada.