Foto: Augusto Oliveira/Ascom CSA Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Cenário de Pandemia do Coronavírus, nova realidade do futebol, forma física e futuro no CSA. O MinutoEsportes entrevistou o experiente atacante Alecsandro do CSA, que vem de um longo período de recuperação e reestreou no clube marujo antes da paralisação das competições.


O centroavante chegou ao time marujo no ano passado, disputou 21 jogos e marcou 3 gols, sendo 2 pela Série A. No final da temporada, ele sofreu uma fratura na tíbia distal da perna direita e só voltou neste ano. Em 2020, disputou um jogo e marcou um gol. 


Alecsandro fez uma avaliação desse período de paralisação do futebol e como tem feito para manter a forma física. “Esse momento de paralisação é complicado. Momento para a gente refletir um pouquinho, não só no futebol, mas para vida também. Momento a qual eu nunca tinha passado, espero nunca mais passar. Uma doença silenciosa, estranha, da forma como tudo vem acontecendo. O mundo parou. Eu venho me mantendo em forma, treinando todos os dias. Estou na casa dos meus pais em Bauru, onde tem uma ala de academia, tem um espaço aberto, onde eu consigo correr. Quanto a isso estou bem tranquilo”, avaliou. 


O atacante azulino tem 39 anos e falou sobre a sua rotina de treinos. Se tem alguma diferença em relação aos outros atletas. “Nós, jogadores mais experientes, não que a gente tenha uma rotina diferente de treinamento, mas eu mesmo estou fazendo um treinamento de acordo com que o Caio ( Preparador físico do CSA), está me passando. Ele sabe o que eu preciso, sabe que o centroavante ali na área precisa ter agilidade, bastante força. Eu vou procurando cumprir o que ele tem passando para mim”, falou.


O fator psicológico é fundamental neste momento. Com isso, o atleta fala como tem sido a sua rotina diária. “O fator psicológico nesse momento ele é fundamental. O que eu procuro fazer é treinar, estou treinando bastante. Quando me pego meio chateado, triste, vendo a situação, saio para correr ou chamo meus filhos para jogar um futmesa, um futebolzinho. Eu também estou fazendo um curso de inglês online para crescer um pouco fora dos gramados”, disse. 


Alecsandro já atuou em grandes times do futebol nacional, como Atlético Mineiro, Vasco, Internacional e mantém contato com atletas que estão atuando em outros eixos.


“Falo sim com alguns jogadores, que são amigos em particular. Como Fábio, Diego Souza, Ronaldinho, Neto Berola, falo com muita gente. Assim, é unânime, todo mundo sem saber o que fazer, quando vai voltar o futebol, como vai voltar. Nóstivemos alguns contatos com o pessoal do sul, que estavam tentando uma volta mais rápida. O pessoal do Rio ameaçou voltar, mas com aqueles casos no Flamengo eles deram uma recuada. Mas nós temos um grupo dos jogadores, onde a gente se fala através do WhatsApp. A gente acredita que até o meio de junho, mais tardar final de junho, possamos voltar as atividades”, explicou.


O experiente atacante renovou o contrato com CSA até o final do ano e só vai começar a receber salário quando voltar às atividades. Alecsandro explicou como foi o acordo com a diretoria azulina e projetou um futuro vitorioso no azulão. 

“Minha situação com o CSA eu renovei o contrato, na renovação eu abri mão de receber até voltar a treinar com o grupo. Então ficarei maio sem receber, acredito que maio a gente não volta a jogar futebol. A renovação está certa, ficou nessas condições. Eu preferi dessa forma, além de ser justo para o clube, arcar com outras coisas, como os funcionário que recebem menos, eu achei legal dar essa oportunidade para que o clube não atrase, que não deixe de pagar o pessoal do staff, que é o pessoal da limpeza, porteiro, da cozinha, segurança. Eu fiquei muito feliz em ter dado essa oportunidade e ter renovado com o CSA. Os objetivos para o futuro é sempre ganhar, sou um cara vencedor, quero subir o time para a Série A e ser o artilheiro da competição”, finalizou.