Marcelo Baltar Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O ex-presidente do Botafogo, Carlos Augusto Montenegro, que continua muito ativo no clube e nos projetos para reerguer o Botafogo, concedeu entrevista exclusiva ao programa Os Donos da Bola desta quarta-feira, 20, e comentou a contratação do japonês Honda, a possível chegada de Yaya Touré e mais um jogador de nível europeu.

“A gente, com todas as dificuldades, a gente descobriu que precisávamos motivar o torcedor, sócio-torcedor e etc. O projeto começou com o Honda, um jogador querido no Japão, ídolo no mundo, disputou três Copas do Mundo. A gente fez um movimento e conseguimos acertar com ele, foi uma festa no aeroporto e ele nos aumentou o sócio-torcedor ao ponto de termos uma receita anual de até R$ 6 milhões a mais. Então por aí você tem uma ideia. Pagou ele, que tem uma média de R$ 3,5 milhões por ano e ainda sobrou dinheiro para ajudar a gente a pagar as despesas básicas, folha de funcionários e etc. Então, em função disso, a gente começou a pensar no Yaya Touré, teve muita negociação, mas ai aconteceu a pandemia. Mas hoje, continuamos conversando com ele”, explicou Montenegro.

O dirigente também contou que outro jogador famoso na Europa foi oferecido ao Botafogo e explicou o suposto interesse do clube no holandês Robben.

“Também teve outro jogador que o próprio empresário nos ofereceu, mas não tem o mesmo apelo do Yaya, que é o Obi Mikel. E no meio disso, o Ricardo Rotenberg, que está à frente desses projetos, chegou a pensar no Robben. Mas é um projeto muito mais difícil, porque o Robben já parou de jogar futebol. Então é o seguinte, chegamos a pensar no Robben, mas é muito mais difícil e estamos muito adiantados com o Yaya”, contou o ex-presidente alvinegro.

Honda chegou ao Botafogo no início de 2020 e fez, até a parada forçada dos campeonatos, apenas uma partida, onde também marcou seu primeiro gol com a camisa do Botafogo.