Mototaxistas são acusados de cobrar valores abusivos em corridas na zona urbana

  • Redação
  • 03/09/2012 07:34
  • Cidade
Divulgação

Utilizar o serviço de mototaxi na cidade de Arapiraca vem transformando-se em dor de cabeça para alguns usuários. Apesar da SMTT ter estabelecido a taxa unificada de R$ 3 para qualquer viagem feita do centro da cidade para os bairros ou vice versa, alguns mototaxistas insistem em aplicar valores diferenciados, principalmente quando as corridas são realizadas para bairros mais distantes.

Pedro Magalhães foi uma das vítimas deste abuso. O corretor de seguros procurou nossa equipe de reportagem para denunciar a prática ilegal. “Eu moro no bairro Boa Vista e grande parte dos mototaxistas cobra entre R$ 4 e R$ 5 pela viagem até o centro da cidade. Eles ignoram a lei e alegam apenas que o percurso é muito longo e que se eu não quiser, que espere por outro mototaxista”, lamentou o corretor.

A taxa unificada de R$ 3, tendo como parâmetro o centro da cidade, foi estipulada e aprovada pelo Conselho Municipal de Transporte e Trânsito. O superintendente da SMTT, Severino Lúcio, alega que o profissional cadastrado que não atender a regra pode ser punido, inclusive com a suspensão do direito de circular.

“A população não deve pagar mais do que R$ 3 quando a corrida for do centro à qualquer bairro da zona urbana ou vice e versa. Deixamos os telefones 3522-3224 e 3522-3254 à disposição dos usuários, para quaisquer reclamações, bastando informar o número exposto no colete e a ocorrência, que iremos convocar o mototaxista para prestar esclarecimentos.

Severino Lúcio informa ainda que as punições vão desde uma simples advertência, até a suspensão de trabalhar entre 30 a 90 dias e, em casos mais extremos, a suspensão da concessão. O superintendente esclareceu ainda que quando as viagens são de bairro a bairro, exemplo, da Boa Vista até o Pichilau, o mototaxista pode negociar com o passageiro, mas desde que haja bom senso. “Existem casos onde o parâmetro não é o centro da cidade. No caso citado, a distância é longa, por serem os dois extremos da cidade. Nesse ponto pode haver a negociação, de preferência antes do passageiro subir na motocicleta”, finalizou.