Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Portugal será o primeiro destino dos atletas brasileiros para treinamento

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) anunciou que irá enviar cerca de 200 atletas para treinamento na Europa. Os esportistas serão divididos em grupos e as viagens acontecerão entre julho e dezembro. Com a iniciativa, a entidade visa acelerar a volta aos treinos em segurança enquanto o Brasil ainda vive um momento crítico do surto do novo coronavírus.

“O COB entende o momento peculiar que todo o mundo está passando, com impacto direto em todos os segmentos da sociedade, inclusive o esporte. Nesse sentido, cumprimos nosso papel de manter o Sistema Olímpico saudável e oferecer a nossos atletas as melhores condições de treinamento e performance, com a máxima segurança”, afirmou Paulo Wanderley Teixeira, presidente da entidade.

Escolhido como base principal de aclimatação da delegação brasileira para os Jogos Olímpicos de Paris 2024. Portugal será o primeiro destino dos atletas do Brasil, escolhido por estar em um estágio avançado no combate à covid-19.

“Temos uma relação estreita com o Comitê Olímpico Português e já tínhamos iniciado as negociações para a Missão Paris 2024. Com a pandemia, acreditamos que usar as instalações esportivas portuguesas nos permitirá oferecer aos atletas locais seguros e de alto nível para que retomem suas atividades”, explica Rogério Sampaio, diretor-geral do COB e campeão Olímpico de Judô.

“Para o COB é preocupante ver nossos atletas sem condição de treinamento em virtude da necessidade real de mantermos o isolamento para o controle da pandemia no País. Sabemos o quão importante é vencermos a batalha contra o coronavírus, ao mesmo tempo que trabalhamos para que o Time Brasil esteja em pé de igualdade com seus principais adversários”, acrescenta Marco Antônio La Porta Jr., chefe de missão nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e vice-presidente do COB.

As despesas com passagem, hospedagem e alimentação serão bancadas pelo COB ao longo dos seis meses, e o investimento será coberto por parte dos R$ 15 milhões previstos no orçamento da entidade para 2020 dentro do Programa de Preparação Olímpica vindos da Lei das Loterias.