Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O atacante Róger Guedes , que pertence ao clube chinês Shandong Luneng, pode ficar disponível no mercado para ser emprestado a um clube brasileiro.

A saída temporária da China para atuar no Brasil se deve à suspensão temporária da entrada de estrangeiros no país asiático pela pandemia de coronavírus, que vitimou milhares de pessoas somente em solo chinês. Róger estava fora de terras chineses pela paralisação do campeonato local. E, uma volta ao Brasil pode ser tornar viável, pois manteria o atleta em atividade.

O empresário do jogador, Paulo Pitombeira, foi avisado pelo Shandong que com o veto da entrada de estrangeiros feita pelo Ministério do Exterior Chinês, o atacante pode ser liberado para jogar em terras brasileiras, com o clube de Róger Guedes bancando 100% dos seus salários.

O Altético-MG surge como candidato a repatriar o atacante, mas há um empecilho: existe uma multa de 3 milhões de euros (R$ 16,8 milhões) imposta pelo Palmeiras ao vender o jogador, em 2018, que caso ele voltasse ao Brasil antes de dois anos, o clube paulista receberia esse valor. A cláusula foi inserida pelo atual diretor de futebol do clube mineiro, Alexandre Mattos, que comandava do futebol do Verdão na época da negociação de Roger com o futebol da China.

Com dificuldades financeiras, o Atlético-MG tem contado com a ajuda de parceiros para viabilizar contratações, casos de Alan Franco, vindo do Independiente Del Valle e Léo Sena, ex-Goiás, contratados esta semana.

Pelo Atlético-MG, Róger Guedes fez 13 gols em 28 jogos no ano de 2018, deixando saudades no torcedor alvinegro,que vê o jogador como um reforço capaz de elevar o nível do ataque atleticano.